segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Salas de aulas superlotadas são regra em todo país. Escolas privadas têm turmas mais cheias que as escolas públicas


Escolas privadas têm turmas mais cheias que as escolas públicas

Por FÁBIO TAKAHASHI, ALESSANDRA BALLES, ANDRÉ MONTEIRO

Dados divulgados pela primeira vez na internet pelo Ministério da Educação mostram que escolas privadas podem ter classes maiores que as públicas e que não há perfil padrão entre as melhores no Enem.


A Folha tabulou e publica nesta segunda-feira essas e outras informações --como taxa de reprovação por colégio-- que visam ajudar as famílias a analisar instituições de ensino fundamental e médio. Consulte aqui.

"A existência de mais indicadores pode relativizar o ranking do Enem como o único termômetro para a avaliação", disse Silvia Colello, educadora da USP. Os dados são de 2010. Anteriormente, mesmo de anos anteriores, só estavam disponíveis a quem consultasse diretamente o Inep (órgão de pesquisas do MEC).


Moacyr Lopes Junior/Folhapress
Colégio Adventista da Liberdade, em São Paulo, cuja méda de alunos por turma é a maior entre as escolas particulares
Colégio Adventista da Liberdade, em SP, cuja média de alunos por turma é a maior entre as escolas particulares

Um desses indicadores é o número de alunos por sala de aula, que pode interferir na relação entre os estudantes e deles com seus professores.

Mesmo cobrando mensalidades, três colégios privados são os que mais possuem alunos de ensino médio por turma na capital paulista --o Adventista da Liberdade, o Etapa e o Objetivo-Paz têm classes maiores que qualquer colégio público.

No Adventista, a média por turma é de 55. No Etapa são 51, e na unidade Paz do Objetivo, 49. A primeira pública é a José de San Martin, com 49. Procurados desde terça, assessores dos colégios afirmaram que não encontraram representantes das escolas para comentar os dados, devido às férias.

"Em turmas cheias, provavelmente a avaliação do aluno será feita com base na prova, e não pelo desenvolvimento no ano", disse a secretária de Educação Básica do MEC, Maria do Pilar.

Educadores apontam ainda que turmas grandes impedem que o docente dê atenção individualizada ao jovem, além de dificultar atividades em grupo e interativas.

Já em relação ao desempenho em avaliações, as pesquisas não são conclusivas se classes numerosas prejudicam o rendimento dos alunos de ensino médio --a relação é mais clara nas séries iniciais do fundamental.

O colégio Adventista, por exemplo, obteve a 206ª melhor nota do Enem 2009 (último divulgado), entre cerca de 800 escolas; o Etapa foi o sétimo, e o Objetivo-Paz, 28º.

"Essas escolas até conseguem passar o conteúdo. Mas a pergunta é se ela deve ser só repassadora de conteúdos ou é também para formar pessoas", disse Mozart Neves, membro do Conselho Nacional de Educação.

Ele pondera que os colégios podem ter turmas grandes para obter mais lucro ou por falta de bons professores.

Na média, o sistema público possui turmas maiores --são 39 alunos por sala, contra 26 nas particulares.

Colaborou ANDRESSA TAFFAREL

Editoria de Arte/Folhapress
Editoria de Arte/Folhapress

Consulte dados de todas as escolas do país

Escolas líderes no Enem em SP têm condições variadas
75 mil estudantes de seis anos são reprovados no país

Fonte: Folha de São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário