sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

TEBEROSKY, Ana, COLOMER, Teresa. Aprender a Ler e a Escrever - uma proposta construtivista.

16. TEBEROSKY, Ana, COLOMER, Teresa. Aprender a Ler e a Escrever - uma proposta construtivista. Porto Alegre Artmed. 2002.
Nos dias atuais tem-se encontrado grande dificuldade em saber a maneira carreta, ou mais acertada, de agir devido as grandes (e proveitosas) renovações que estão acontecendo no campo da educação. A grande questão é saber unir teoria, prática e reflexão.
É sobre esses temas que vamos falar um pouco nesse livro.
Capítulo 1 - A Língua Escrita
Observando o percurso histórico do surgimento da escrita e de suas variadas representações, é possível verificar que a existência desta permitiu op registro da memória coletiva, e uma comunicação maior entre as pessoas, pois as mensagens não dependiam mais da presença física dos interlocutores.Na época posterior a industrialização a concepção de alfabetização é revista a partir das mudanças sociais (até então a alfabetização estava ligada ao ócio e ao âmbito social). Essa demanda social tornou a escolarização obrigatória.
Em nossa sociedade, no decorrer do século XX a língua escrita (alfabetização) se torna tecnologia fundamental, como pré-requisito para qualquer progresso, potencialização dos conhecimentos e acesso aos diferentes usos da mesma.
Estudos realizados concebem a língua como código oral e código escrito. O processo de produção ou reprodução da língua escrita é diferente do uso oral porque implica uma relação entre pensamento e linguagem diferente. A língua escrita permite fixar o discurso oral e convertê-lo em objeto de análise. “A língua escrita seria, em suma, o meio mais eficiente para que um indivíduo chegue a dominar as máximas potencialidades de abstração da linguagem, independentemente de os discursos construídos por ele serem, ao final, orais ou escritos”.
Entende-se a aprendizagem da língua escrita como um domínio lingüístico progressivo - não meramente do código gráfico -, nas situações e para as funções que cumpre socialmente.
No texto “Aprendices em el domínio de la lengua escrita”, Wells (1987) trabalha o domínio da escrita a partir de quatro níveis coexistentes:
epistêmicoinstrumentalfuncionalexecutivoCada nível representa:
O nível executivo insiste na posse do código como tal; diz respeito ao domínio da língua para traduzir a mensagem do código escrito.
No nível funcional inclui-se saber como a língua escrita varia segundo o contexto; refere-se a utilizar os conhecimentos para enfrentar exigências cotidianas como ler jornal ou seguir instruções. No nível instrumental usa-se tanto o código quanto a forma textual e reside na possibilidade de buscar e registrar informações escritas.
No nível epistêmico usa-se a língua escrita como meio de atuação e transformação sobre o conhecimento: refere-se ao interpretar e avaliar.

Capítulo 2 - O que é ler?
Tradicionalmente pode-se considerar a definição de ler como a capacidade de entender um texto escrito pode parecer simplista, mas não é.
As práticas escolares comumente trazem atividades que partem de pequenos fragmentos de textos, palavras soltas ou letras isoladas para o ensino da leitura. Essa situação revela uma concepção e um desconhecimento: porque ler é um ato de raciocínio.
Através da percepção, da memória de curto e longo prazo (esta segunda que armazena as informações e conhecimentos que temos do mundo) e dos esquemas de conhecimento que as pessoas formam ao longo da vida, a compreensão e a interpretação das informações se tornam possíveis através da leitura.Ler consiste em processar as informações visuais de um texto e as informações não-visuais conhecimentos do leitor. A partir das informações do texto o leitor formula hipóteses, antecipa significados, faz inferências e, no decorrer da leitura, verifica se suas hipóteses iniciais estavam corretas.
Frank Smith - e outros autores - revela que ao explorar um texto através da leitura, o leitor: não precisa oralizar o texto para compreendê-lo; desloca os olhos em saltos percebendo fragmentos do texto - não lemos letra por letra - e percebe globalmente um conjunto de elementos gráficos.
Seguindo esses propósitos alguns cuidados devem ser tomados no trabalho com a compreensão leitora: a organização de atividades com propósitos claros: ler com a finalidade de obter informação ou ler por prazer, ou ainda, para aprender; e os conhecimentos trazidos pelo leitor (prévios) - sobre o texto escrito (conhecimentos paralinguísticos, das relações grafofônicas, morfológicos, sintáticos, semânticos e textuais) e sobre o mundo. Quanto maior o conhecimento do leitor, mais fácil será sua compreensão do texto.

Capítulo 3 - O Ensino e a Aprendizagem da Leitura
De acordo com as concepções que as escolas apresentam do que é ler, é que se configuram o ensino e a aprendizagem da leitura.
Para compreender melhor essa configuração, vamos retomar um pouco da história: Numa concepção tradicional acreditava-se que ler significava realizar correspondência entre os fonemas e os signos, dos mais simples para os mais complexos. A aprendizagem da leitura se dava através da leitura em voz alta.
A partir da década de 50 a leitura “passa a ser considerada como um processo psicológico específico, formado pela integração de um conjunto determinado de habilidades e que pode desenvolver-se a partir de um certo grau de maturação de cada uma delas”. Essa concepção trabalha com pré-leitura ou maturação leitora na escola.
Com estudos mais recentes e avanços realizados a leitura “deixou de ser considerada como um processo psicológico específico para incluir-se entre os processos gerais de representação humana da realidade e adotou a perspectiva teórica de um modelo psicolingüístico-cognitivo”.
Considerando essa concepção, a leitura passa a ter outra significação e o modo de ensiná-la também muda. O ensino:
considera e parte dos conhecimentos dos alunos sobre as funções da leitura;
permite a comunicação com função real (sendo significativa) trabalha a relação com a língua escrita e seu uso funcional; fomenta a consciência metalingüística; utiliza textos de circulação social, concebidos para leitura, e não textos escolares, o que permite maior significado para os alunos; permite experiências com textos variados para aprender suas características diferenciais; trabalha a leitura sem oralização, a não ser que haja uma função específica (comunicar algo a alguém), diferentemente de como era trabalhado tradicionalmente;
Da mesma forma, deve ser trabalhada nas escolas, a compreensão leitora. Algumas pesquisas mostram que essa compreensão é pouco trabalhada apesar dos alunos lerem com freqüência. Pode-se apontar, como uma das causas dessa realidade, a utilização da leitura - e compreensão - sem propósito real.
A concepção utilizada atualmente considera a aprendizagem significativa. Nessa perspectiva, atividades orientadas a aprender a ler ajudam os alunos na compreensão do texto. Podem ser propostas:
resumir e sublinhar as idéias principais; ler e construir diagramas e esquemas; o professor oferecer modelos de compreensão; organizar atividades onde o texto apresente erros de diferentes níveis para que os alunos apontem as incoerências; empregar a discussão coletiva (com intervenções do professor);
auxiliar os alunos a reterem informações a partir de estratégias como antecipar, reler, repassar, etc. organizar produções de texto como recurso para a compreensão.Capítulo 4 - O Planejamento da Leitura na Escola
Esse capítulo vai falar um pouco sobre o ensino da leitura nas últimas séries do ensino fundamental.
Acredita-se que a aprendizagem da leitura estende-se por toda a escolaridade, não somente no ensino fundamental, mas também por todo o ensino médio.
Estudos mais recentes e a apreensão dos processos de leitura e compreensão apontam a necessidade de que o ensino da leitura tenha sentido de prática social e cultural, onde os alunos possam ampliar seus conhecimentos comunicativos reais.
Trataremos de duas situações de leitura:
1.a primeira que trata das tarefas escolares: a utilização da pedagogia de projeto pode ser uma boa opção pois tira o professor do centro e faz com que os alunos assumam papéis importantes. 2. uma segunda que trata da leitura literária: pois destina-se a “apreciar o ato de expressão do autor, a desenvolver o imaginário pessoal a partir dessa apreciação e a permitir o reencontro da pessoa consigo mesma em sua interpretação”.
2.Na escola existem espaços que podem e devem tornar-se um contexto real de leitura, pois educa a autonomia dos caminhos de acesso à informação - a biblioteca escolar, por exemplo. Nesse sentido, algumas ações são importantes: o conhecimento dos materiais disponíveis na biblioteca, exposição do acervo, a hora do conto, a prática de leitura para criação desse hábito, entre outras. Essencial é propagar sua existência de forma a chamar os alunos e outras pessoas para esse espaço, onde possam criar uma bagagem leitora através de diversos meios.
Essa medida, de ampliar o repertório, clama por outras:
1. Relacionadas a compreensão do texto: leitura e interpretação conjunta de textos que ainda apresentam dificuldade; ler obras completas, dividindo-a em partes e realizando: análise de capítulos, reconstrução da época, antecipação de informações, descrições, comparações, retomada do conflito e verificação das hipóteses iniciais; leitura de textos mais breves com focalização de aspectos a serem trabalhadosrelacionar o texto com os conhecimentos dos alunos; comentar diferentes textos de diferentes áreas do conhecimento; leitura e comentário de um texto para sua compreensão; utilizar quadros, esquemas e comparações paraü ajudar na representação mental da ordenação de informações;
2. Relacionadas a compreensão da estrutura significativa dos textos: organizar gráficos, esquemas ou quadrinhos para representar o texto;
produzir sínteses; ler notícias e dar-lhes títulos, explicando suas escolhas; produzir e comparar resumos;
3. Relacionadas “a exercitar as habilidades envolvidas no processo de leitura”: explicitar o que sabe sobre um tema; buscar uma informação determinada no texto (jornal, dicionário ou lista telefônica); consultar anúncios ou sessões do cinema; buscar uma informação na enciclopédia; realizar exercícios de antecipação através da ativação dos conhecimentos prévios dos alunos; continuar a escrita de textos (narrativos, histórias em quadrinhos, etc); construir textos em cadeia (onde cada aluno produz uma parte); continuar a escrita de textos informativos; continuar a escrita de notícias; recompor textos (cortados previamente pelo professor); recompor textos de acordo com sua sequência temporal (três notícias de três dia diferentes, por exemplo); antecipar o conteúdo do texto a partir de indícios gráficos e tipográficos; preencher espaços vazios de um texto; brincar de jogo da forca; O que ajuda muito no desenvolvimento das habilidades leitora e escritora são os exercícios de levantamento e emissão de hipóteses e inferências. Utilizar as atividades trazidas nos “passatempos” (comumente encontrados em banca de jornais, em livros próprios, revistas ou gibis) também é um importante exercício para os alunos.

Capítulo 5 - A Avaliação da Leitura
Ao retomar o que já foi discutido nesse livro percebe-se que não é mais possível utilizar uma avaliação nos moldes tradicionais. Ela precisa ser formativa: informa os alunos sobre seus progressos e avanços (por isso eles devem saber o tempo todo o que está sendo observado e que resultado obtiveram), e serve como instrumento para o professor ajustar seu planejamento e métodos de ensino (uma reflexão para a ação).O que comumente vê-se nas escolas é a não clareza do que avaliar e como avaliar. Dessa forma as avaliações não põem em jogo todos os conhecimentos construídos pelos alunos e nem avaliam todos os aspectos apresentados nos outros capítulos.
A proposta de Alexandre Gali é que referencia as avaliações nas escolas catalãs. Ele se baseia na necessidade de separar “os diversos componentes do ato de leitura suscetíveis de serem avaliados de forma diferenciada e distingue cinco: perfeição mecânica, expressão, rapidez, compreensão das palavras e compreensão total”. Dos cinco componentes apresentados considera que os três últimos devam ser avaliados. Para ele, os testes de avaliação devem ser claros e conhecidos dos alunos (as provas devem estar integradas às tarefas educativas), para que tenham que refletir apenas sobre as combinações verbais e o jogo de idéias presente.
O se tratar da avaliação, mesmo que não se tenha claro qual seu objetivo principal, alguns critérios devem ser respeitados - considerando a nova concepção de leitura e escrita. P.H. Johnson afirma que o objetivo da avaliação deve ser “o grau de integração, inferência e coerência com que o leitor integra a informação textual com a anterior”.
Podemos considerar como critérios importantes na avaliação:
1. Atitude emocional no momento da leitura;
2. Buscar informações em um determinado texto;
3. Solicitar que os alunos verbalizem suas idéias em relação ao texto;
4. Verificar a velocidade da leitura e a leitura silenciosa;
5. Explorar os conhecimentos prévios dos alunos com questões relacionadas ao texto;
6. Solicitar que realizem sínteses, dêem títulos a textos;
7. Solicitar que apontem em um texto seus erros e incoerências (previamente preparado pelo professor);
O enfoque principal da avaliação é para que serve? Nesse sentido deve-se utilizá-la como instrumento tanto para o professor quanto para o aluno, na medida em que pode ir controlando seus avanços e onde necessita maior atenção para melhorar.

2 comentários:

  1. Muito obrigada, o resumo deste livros me auxiliou muito!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado por cada um de seus resumos.

    ResponderExcluir